in

Anfield Road – A Fortaleza Vermelha

 

Por Guilherme Diniz

 

Nome: Estádio Anfield

Localização: Liverpool, Inglaterra

Inauguração: 28 de setembro de 1884

Partida Inaugural: Everton 5×0 Earlstown, 28 de setembro de 1884

Proprietário: Liverpool Football Club

Capacidade: 54.074 pessoas

Recorde de público: 61.905 pessoas no jogo Liverpool 2×1 Wolverhampton, 02 de fevereiro de 1952.

 

Ele foi, durante um tempo, a casa do maior rival da cidade: o Everton. Após alguns anos locando a propriedade, o Everton entrou em conflito com John Houlding, dono da terra onde estava o estádio. O imbróglio fez o Everton sair dali e procurar uma nova casa – Goodison Park. Diante de um estádio vazio e sem “dono”, Houlding decidiu criar um novo clube que fizesse bom uso daquele local. Com isso, ele fundou o Everton F.C. and Athletic Grounds Ltd. em 1892, que em 03 de junho daquele ano virou Liverpool Football Club, para que não houvesse duas equipes com o mesmo nome na cidade. Dali em diante, um misticismo nasceu. Técnicos ajudaram a aumentar a lenda. E Anfield Road virou um dos mais emblemáticos estádios da Europa e do mundo. A Fortaleza Vermelha. Um caldeirão com alma. É hora de conhecer a história de um dos mais clássicos estádios de todos os tempos.

 

Um novo dono

Anfield, em 1903.

 

Pode parecer loucura, mas o primeiro anfitrião de Anfield Road foi o Everton, que naquele ano de 1884 era o grande clube de Liverpool. O campo era de propriedade de John Orrell, amigo de John Houlding, membro da direção do Everton, cervejeiro e muito influente na cidade – ele seria prefeito tempo depois. Procurando por um novo estádio devido ao barulho causado pela multidão em Priory Road, o Everton conseguiu Anfield após Orrell concordar em ceder o terreno ao clube em troca de um pequeno aluguel. Com isso, o clube azul começou a jogar em Anfield em 1884 e goleou em seu primeiro jogo no estádio por 5 a 0. O clube fez melhorias no local com o passar do tempo, como a construção de arquibancadas para 8 mil pessoas – que aumentaram a capacidade para 20 mil pessoas – e instalação de redes nos gols – foi o primeiro no mundo a fazer isso em traves de madeira.

John Houlding, patrono do Liverpool FC.

 

Em 1885, Houlding comprou a terra de seu amigo Orrell e o Everton passou a pagar a taxa de aluguel ao próprio diretor. O sucesso do time aumentou e, na temporada 1890-1891, o Everton venceu seu primeiro título nacional. Só que algumas desavenças começaram a surgir. Em dias de jogos, Houlding queria que apenas as bebidas produzidas por sua empresa fossem vendidas no local, o que aumentou ainda mais seus lucros. Além disso, os jogadores deveriam usar o The Sandon, um pub próximo ao estádio, para se trocar e consumir bebidas, outro fator que favorecia os lucros de Houlding.

Anfield em 1923, já com mais arquibancadas.

 

Em 1890, o Everton já pagava 250 libras de aluguel por mês ante 100 libras em 1884 – um aumento considerável. Com isso, Houlding sugeriu que o clube comprasse o terreno de Anfield e seus adjacentes, algo rejeitado pela diretoria mesmo com a certeza de que o investimento se pagaria em pouco tempo graças ao aumento crescente dos sócios e o sucesso do time dentro de campo na época. Houlding pensava no futuro do clube, mas a diretoria só via o lucro de Houlding naquele momento. Com tantas desavenças, o Everton parou de alugar Anfield e foi jogar em Goodison Park em 1892. Em março daquele ano, Houlding e outros 19 membros deixaram o Everton. Aquela separação motivou o dono de Anfield a fundar um novo clube. E ele o fez já em março, sob o nome Everton F.C. and Athletic Grounds Ltd. Porém, a FA não permitiu dois clubes com nomes parecidos em uma mesma cidade e, em junho de 1892, o “segundo” Everton virou Liverpool Football Club.

A primeira partida do novo clube em Anfield aconteceu em setembro de 1892 e foi um show: 7 a 1 sobre o Rotherham Town, com apenas 200 pessoas nas arquibancadas. No ano seguinte, a estreia pelo campeonato nacional da segunda divisão também foi emblemática: 4 a 0 sobre o Lincoln City diante de 5 mil pessoas, mostrando que a cidade não era tão simpática assim ao Everton. E que seu reinado estava prestes a acabar…

 

The Kop e o desenvolvimento

The Kop, em 1928: setor iria simbolizar um marco em Anfield.

 

Com o acesso para a primeira divisão consumado em 1894, o Liverpool ampliou a capacidade de Anfield pela primeira vez em 1895, com novas arquibancadas para 3 mil pessoas. Em 1903, um novo lance de arquibancadas foi erguido e construído em madeira e ferro. Após o segundo título inglês de 1906, mais uma grande arquibancada foi feita para acomodar os torcedores em pé. Esse setor acabou apelidado de Spion Kop (em tradução livre, Spion Kop significa “colina dos espiões”) pelo jornalista Ernest Edwards, editor dos jornais Liverpool Daily Post e Liverpool Echo, em referência à montanha homônima localizada na província de KwaZulu-Natal, na África do Sul, que ficou conhecida por conta da Batalha de Spion Kop durante a Segunda Guerra dos Bôeres (também conhecida como Guerra Boer), que envolveu o Império Britânico, as Nações Boer, a República Sul-Africana e o Estado Livre de Orange entre 1899 e 1902.

 

Tal estágio do conflito aconteceu quando as tropas britânicas tentaram tomar a montanha de Spion Kop, mas tiveram uma severa baixa de cerca de 300 homens, sendo a maioria soldados de Liverpool, resultando em uma vitória dos Boer. Após a divulgação da foto da colina e a similaridade com as pessoas em pé no novo setor de Anfield, o editor optou pelo apelido, que acabou pegando na Inglaterra e virou sinônimo para esse tipo de setor em vários estádios do país ao longo das décadas (além de servir como homenagem aos que perderam suas vidas). Vale destacar que o estádio do Arsenal na época, o Manor Ground, em Plumstead, já possuía um grande Kop desde 1904.

Essas melhorias, desenvolvidas pelo arquiteto Archibald Keir Leitch, tornaram Anfield Road um dos principais estádio do Reino Unido, condição rechaçada em 1928, quando The Kop foi ampliado e passou a receber 30 mil pessoas, todas em pé, além de um telhado em aço ser construído no local. A Spion Kop tinha 130m de comprimento, 40m de largura e 24,3m de altura, além de uma parede de 1,8m na parte de trás e com seis portões duplos para entrar. Atrás do terraço havia um monte íngreme de grama com 3,65m de largura que ia até à estrada.

Essa reforma transformou o Kop do Liverpool no maior do país e o estádio passou a ter uma capacidade superior a 60 mil pessoas. Só aquele setor do estádio comportava mais gente do que vários estádios inteiros da Inglaterra, por exemplo! No mesmo ano, um grande mastro pertencente ao SS Great Eastern, um dos primeiros navios de ferro construídos, foi resgatado e colocado ao lado do Kop, servindo como estandarte e primeiro símbolo do clube.

A atmosfera do estádio mudou completamente com aquele novo Kop. Os times que enfrentavam o Liverpool em Anfield começaram a sentir a intimidação causada pela fanática torcida que cantava sem parar naquele setor e formava um paredão humano bastante imponente. A acústica do local também foi um fator preponderante para transformar Anfield Road em um dos maiores caldeirões do futebol europeu. Além disso, o estádio virou palco, a partir dos anos 1930, de jogos de tênis e lutas de boxe. Mas seria a partir dos anos 1960 que um homem iria mudar para sempre a alma de Anfield: Bill Shankly.

 

This is Anfield!

Bill Shankly e a torcida do Liverpool.

 

Em 1957, o clube instalou os primeiros refletores no estádio ao custo de 12 mil libras. Mas os tempos eram difíceis. Cinco vezes campeão inglês, o time não sabia o que era um título desde 1947, estava na segunda divisão do Campeonato Inglês há cinco anos e ostentava apenas as exatas cinco ligas nacionais no currículo. Nada de copas. Nada de Ligas dos Campeões. Para piorar, o estádio Anfield Road estava cheio de problemas estruturais, o campo de treinamento de Melwood era horrível, diretores davam palpites constantemente nas preleções e reforços para o elenco eram escassos, bem como o dinheiro. E tinha mais: o Everton, rival local, tinha mais títulos que os Reds. Mas a diretoria do Liverpool contratou Bill Shankly, treinador que vinha de grandes trabalhos locais, para mudar todo aquele cenário.

Com paixão, fibra e conhecimento pleno de tudo o que envolve o futebol, ele tirou o clube do limbo e o catapultou para o estrelato. Para os títulos. Para a imortalidade. Ele criou um mito. Uma filosofia. Uma religião em vermelho. No túnel que dá acesso ao gramado de Anfield Road, ele pediu para que se colocasse a frase “This is Anfield” só para aterrorizar os adversários e entusiasmar qualquer jogador vestido com o manto do Liverpool Football Club. No primeiro jogo após a colocação do apetrecho, o Newcastle foi sonoramente goleado por 5 a 0. Culpa da placa, muitos disseram.

“Aqui é Anfield”, famosa placa colocada no túnel dos vestiários para amedrontar os adversários do Liverpool.

 

 

Os Shankly Gates, mais lendários portões de Anfield.

 

Bill Shankly comandou o Liverpool durante 15 anos, mas seu legado e trabalho à frente do tradicionalíssimo clube inglês permanece até hoje como inigualável e fundamental para a existência e o crescimento da instituição no futebol mundial. Shankly pensou em tudo, da estrutura de treinamento até os uniformes (antes, o Liverpool jogava com calções brancos ao invés de todo em vermelho), e plantou a semente para que após sua estadia em Anfield o Liverpool conquistasse quatro Ligas dos Campeões da UEFA, inúmeros Campeonatos Ingleses e vários outros títulos em apenas uma década, já sob o comando da lenda Bob Paisley. Não é à toa que uma imponente estátua de Shankly seja admirada na parte externa do estádio. E que os portões que levam a frase “You I´ll Never Walk Alone” (Você nunca andará sozinho), o mantra de qualquer torcedor do Liverpool, levem o nome de Shankly Gates – estes inaugurados em 1982, um ano após o falecimento do treinador.

 

Modernização e consolidação

Em 1973, o estádio recebeu uma grande reformulação na Main Stand, que foi parcialmente demolida e reconstruída, além de receber um novo telhado. Simultaneamente, os holofotes do pilão de concreto foram demolidos com novas luzes instaladas ao longo das linhas do telhado da Kemlyn Road e Main Stand. Nos anos 1980, mais melhorias foram feitas nas arquibancadas e os já citados portões de Bill Shankly foram erguidos com os dizeres “You’ll Never Walk Alone”, canção da banda Gerry and the Pacemakers que foi adaptada pela torcida e virou cântico oficial do clube. Nos anos 1980, o Liverpool seguiu com as melhorias em Anfield ao instalar assentos coloridos nas arquibancadas do Kemlyn Road e um local exclusivo para a polícia.

Nos anos 1990, com as novas normas de segurança decorrentes da tragédia de Hillsborough, o clube teve que colocar assentos em todas as arquibancadas de Anfield, proibindo setores com pessoas em pé. Isso acabou interferindo no Kop, que teve uma redução drástica em sua capacidade, que caiu de 30 mil para 12.390 em 1994. Falando em Hillsborough, o estádio possui até hoje várias homenagens às vítimas, inclusive uma chama eterna na 96 Avenue, na Main Stand. Em 1992, foi inaugurada a Centenary Stand (que seria renomeada Sir Kenny Dalglish Stand, em homenagem ao craque do timaço dos anos 1970 e 1980), antigo sonho do clube em seu processo de ampliação do estádio, que acabou adiado por muito tempo. Motivo? Ao adquirir alguns lotes e casas em Kemlyn Road nos anos 1970 e 1980, o clube levou um “não” de duas irmãs proprietárias de uma casa na região. Após muita discussão, o clube conseguiu chegar a um acordo de compra do imóvel e pôde, enfim, concluir a obra.

Em 2016, a Main Stand foi concluída após 76 anos de obras – é a mais antiga Stand do estádio, embora as partes baixas datem de 1906. Foi a partir daí que outro técnico começou a enaltecer ainda mais Anfield: Jürgen Klopp, que ajudou a reerguer o clube após derrotas dolorosas na Liga Europa de 2016 (para o Sevilla) e na UCL de 2018 (diante do Real Madrid) para levar o clube a títulos marcantes, com várias noites europeias inesquecíveis em Anfield, sendo a mais incrível os 4 a 0 sobre o Barcelona em 2019

Salah, Klopp e Van Dijk após o épico diante do Barça, em 2019. Foto: Peter Byrne / Getty Images.

 

Vários treinadores admitem até hoje que o estádio causa, sim, problemas aos seus times. Pep Guardiola comentou em julho de 2019 que “This is Anfield” não é marketing, mas algo que você não encontra em nenhum outro estádio no mundo. José Mourinho, em seus tempos no Chelsea de 2005, disse que a derrota de seu time para o Liverpool na semifinal da UCL de 2004-2005 foi resultado de Anfield. “Eu senti naquele jogo o poder de Anfield. Foi magnífico”, comentou o português.

 

Atualmente, Anfield é um dos mais belos estádios do mundo e possui não só beleza em seu interior, mas também do lado de fora com cores únicas, árvores, detalhes nas paredes e uma atmosfera rara. Em setembro de 2021, o Liverpool iniciou novas obras de ampliação da Anfield Road Stand, com a construção de mais 7 mil lugares, o que dará ao estádio uma capacidade superior a 61 mil pessoas. As obras devem ser concluídas em 2024 e tornar o caldeirão vermelho ainda mais imponente. Os rivais que se cuidem…

 

Curiosidades:

 

  • O Liverpool permaneceu invicto em Anfield Road nas temporadas 1893-1894, 1970-1971, 1976-1977, 1978-1979, 1979-1980, 1987-1988, 2008-2009, 2017-2018, 2018-2019 e 2019-2020;
  • A maior sequência invicta aconteceu de janeiro de 1978 até janeiro de 1981. Foram 85 jogos, 69 vitórias e 16 empates, nos quais o Liverpool anotou 212 gols e sofreu apenas 35;
  • Anfield foi um dos palcos na Eurocopa de 1996 e abrigou quatro partidas do torneio, mas acabou preterido na Copa do Mundo de 1966. O Goodison Park, do rival, foi escolhido;
  • Além do futebol, Anfield também é palco de shows, partidas de Rúgbi e linha de chegada de provas de corrida;
  • Em 1958, o mítico time de basquete do Harlem Globetrotters se apresentou no estádio;
  • O estádio possui quatro arquibancadas: Spion Kop, Main Stand, Sir Kenny Dalglish Stand e Anfield Road Stand;
  • Anfield Road é um dos seletos estádios da Europa com categoria máxima da UEFA de 4 estrelas;
  • Em seu aniversário de 125 anos, o Liverpool inaugurou uma estátua em homenagem a John Houlding, seu icônico fundador. Ela fica do lado de fora de Anfield;
  • Perto da arquibancada Kop existem os portões Bob Paisley, com o desenho de três troféus da Liga dos Campeões da UEFA, em homenagem aos títulos conquistados pelo treinador em 1977, 1978 e 1981.
Os portões em homenagem a Bob Paisley.

 

 

 

Licença Creative Commons
O trabalho Imortais do Futebol – textos do blog de Imortais do Futebol foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em imortaisdofutebol.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Esquadrão Imortal – Milan 2006-2007

Craque Imortal – Rincón