in ,

Esquadrão Imortal – Atlético de Madrid 1970-1974

Uma das escalações do time em 1973-1974. Em pé: Reina, Capón, Eusebio, Adelardo, Domingo Benegas e Heraldo Bezerra. Agachados: Ufarte, Aragonés, Gárate, Irureta e Heredia.

 

Grandes feitos: Campeão do Mundial Interclubes (1974), Bicampeão do Campeonato Espanhol (1969-1970 e 1972-1973), Campeão da Copa do Rei (1971-1972) e Vice-campeão da Liga dos Campeões da UEFA (1973-1974).

Time-base: Miguel Reina (Rodri / José Pacheco); Melo, Heredia (Isacio Calleja), Eusébio (Ovejero) e Capón (Rubén “Panadero” Díaz); Adelardo (Domingo Benegas), Luis Aragonés e Alberto Fernández; Salcedo (Javier Irureta / Francisco Aguilar), Gárate (Ufarte) e Heraldo Bezerra (Rubén Ayala). Técnicos: Marcel Domingo (1969-1971), Max Merkel (1971-1973), Juan Carlos Lorenzo (1973-1974) e Luis Aragonés (1974).

 

“Do Calderón ao topo do mundo”

 

Por Guilherme Diniz

 

Entre os anos 1960 e 1980, apenas um clube na Espanha conseguia duelar e disputar contra o Real Madrid os principais títulos do país: o Atlético de Madrid, que viveu principalmente no final dos anos 1960 e início dos anos 1970 uma de suas mais laureadas eras. Com torcedores crescendo a cada ano e um time muito forte, o clube colchonero até mudou de estádio para conseguir abrigar sua fanática hinchada, que passou a prestigiar o time a partir de 1966 no Vicente Calderón. E foi nele que o clube conquistou títulos inesquecíveis, entre eles os Campeonatos Espanhóis de 1969-1970 e 1972-1973, a Copa do Rei (na época chamada de Copa del Generalísimo) de 1971-1972 e vitórias enormes pela Liga dos Campeões da UEFA de 1973-1974, na qual o clube colchonero chegou até a final, mas perdeu de maneira dramática para o Bayern München-ALE. Tempo depois, porém, a equipe madrilena conseguiu um de seus maiores títulos ao vencer o Mundial Interclubes sobre o poderoso Independiente-ARG de Bochini e Bertoni. Foram tempos de ídolos como Adelardo, Calleja, Aragonés, Gárate e Irureta, nomes que figuram até hoje na galeria de maiores jogadores rojiblancos de todos os tempos. É hora de relembrar.

 

A Era Calderón

O Vicente Calderón impunha medo nos rivais pelo estilo “caldeirão”.

 

Depois de quebrar a sequência de cinco títulos seguidos do Real Madrid com o caneco do Campeonato Espanhol de 1965-1966, o Atlético de Madrid se consolidou como um dos principais rivais do vizinho naquela época do regime do general Franco. Campeão da Copa del Generalísimo de 1964-1965 e da Recopa da UEFA de 1961-1962, o Atleti começou a emancipar sua força futebolística a partir do momento em que inaugurou seu novo estádio, o Manzanares, em 1966, com capacidade para 70 mil pessoas, deixando para trás o antigo Estádio Metropolitano. Alguns anos depois, em 1971, o Manzanares mudou de nome e passou a ser chamado de Vicente Calderón, em homenagem ao presidente do clube na época e que esteve à frente dos colchoneros por 21 anos, de 1964 até 1980 e de 1982 até 1987. O estádio era uma resposta ao rival Real Madrid, pois o Calderón tinha todos os seus lugares com assentos, 30 mil deles cobertos e era mais moderno, enquanto o Santiago Bernabéu era mais antigo e com vários espaços sem assentos.

O presidente Calderón observa o sonho realizado: resposta ao rival Real Madrid.

 

Foi na gestão de Calderón que o Atlético começou a montar seu grande esquadrão com as contratações de Luis Aragonés (em 1964), José Armando Ufarte (em 1964), José Eulogio Gárate (em 1966), Javier Irureta (em 1967) e Alberto Fernández (em 1969). Além desses reforços, o clube trouxe em 1969 o técnico francês Marcel Domingo, ex-goleiro do próprio Atlético nos anos 1950 e bicampeão espanhol pelos colchoneros em 1949-1950 e 1950-1951. E o primeiro grande desafio do treinador foi o Campeonato Espanhol de 1969-1970.

Depois de um início capenga, o time colchonero foi engrenando e assumiu a liderança na 12ª rodada, permanecendo na briga pelo topo com o Athletic Bilbao até o final da competição. Com grandes vitórias sobre Real Madrid (3 a 0, em casa), Barcelona (2 a 1, fora), Athletic (2 a 1, em casa), e goleadas sobre Elche (4 a 0), Granada (5 a 0) e Real Sociedad (4 a 0), o Atlético foi campeão espanhol com um ponto à frente do Athletic. Em tempos nos quais as vitórias valiam dois pontos, os colchoneros terminaram La Liga com 42 pontos em 30 jogos, sendo 18 vitórias, seis empates, seis derrotas, 53 gols marcados (melhor ataque) e 22 gols sofridos (2ª melhor defesa). Com uma linha de frente poderosa e goleadora, o time da capital provou sua força principalmente nos grandes jogos e mereceu o troféu.

Aragonés, lenda colchonera.

 

Luis Aragonés e Gárate, ambos com 16 gols, foram os artilheiros do time e da competição, e compartilharam o troféu Pichichi daquele ano juntamente com Amancio Amaro, do Real, que também anotou 16 tentos. Um destaque na campanha do título foi o técnico Domingo, que se tornou o primeiro ex-jogador do Atlético a vencer o Campeonato Espanhol como técnico e também como atleta. Na Copa del Generalísimo, os rojiblancos foram eliminados já nas oitavas de final.

 

Quase na Europa e volta ao topo na Espanha 

Como campeão espanhol, o Atlético de Madrid ganhou o direito de disputar a Liga dos Campeões da UEFA (na época conhecida como Copa dos Campeões) de 1970-1971. O torneio só reunia os campeões nacionais naqueles tempos e era bem seleta. A caminhada colchonera começou com vitória sobre o Austria Wien-AUT por 4 a 1 no agregado (Aragonés e Gárate marcaram um gol cada em ambos os jogos). Nas oitavas de final, a equipe encarou o Cagliari de Luigi Riva, e, após perder a ida por 2 a 1, venceu com um categórico 3 a 0 o duelo da volta em show de Aragonés, que anotou todos os gols do jogo!

Nas quartas de final, a equipe espanhola enfrentou o Legia Warsaw-POL e venceu o duelo de ida, em casa, por 1 a 0 (gol de Adelardo). Na volta, Salcedo abriu o placar para o Atlético no começo do jogo, os poloneses viraram, mas o placar de 2 a 1 classificou os espanhóis graças ao critério do gol fora. Na semifinal, os rojiblancos tiveram a ingrata missão de encarar o Ajax de Rinus Michels e Johan Cruyff, simplesmente um dos maiores esquadrões de todos os tempos. Na ida, em Madri, o Atlético mostrou força e venceu por 1 a 0, gol de Irureta, resultado que deu ao time de Marcel Domingo a vantagem do empate para a volta, em Amsterdã. Mas, diante de 65 mil pessoas no estádio Olímpico da capital holandesa, os colchoneros não resistiram à força dos alvirrubros, que venceram por 3 a 0 – gols de Keizer, Suurbier e Neeskens – e ficaram com a vaga na final. Nela, o Ajax derrotou o Panathinaikos e venceu a primeira de suas quatro UCLs.

Velibor Vasovic, capitão do Ajax, e Isacio Calleja, capitão do Atlético de Madrid, antes do duelo de ida, em Madri. Foto: Nationaal Archief, Den Haag, Rijksfotoarchief: Fotocollectie Algemeen Nederlands Fotopersbureau (ANEFO).

 

Com seis gols, Luis Aragonés foi o vice-artilheiro da competição continental, atrás apenas do grego Antoniadis, do vice-campeão Panathinaikos, com 10 gols. Ainda naquela temporada, o Atlético chegou às semifinais da Copa del Generalísimo e terminou na 3ª colocação La Liga, que teve o Valencia campeão. Pela terceira temporada seguida, o atacante Gárate foi o artilheiro do time com 22 gols, além de ter anotado 17 gols em La Liga e ter vencido o troféu Pichichi.

Na temporada 1971-1972, o austríaco Max Merkel assumiu o comando técnico do time e deu mais disciplina tática ao elenco, que passou a se arriscar menos e ter mais consistência ao longo dos jogos. E, se o título não veio em La Liga (embora a equipe tenha goleado o rival Real Madrid por 4 a 1, em casa), a torcida pôde celebrar a conquista de mais uma copa nacional em uma campanha irrepreensível com vitórias sobre o Las Palmas (1 a 0 o agregado), Barcelona (3 a 0 no agregado), Athletic Bilbao (5 a 4 no agregado) e triunfo por 2 a 1 sobre o Valencia na grande final, disputada no Santiago Bernabéu e diante de 100 mil pessoas. Salcedo e Gárate anotaram os gols do time colchonero, que fez a festa sobre Alfredo Di Stéfano, técnico do Valencia na época e grande ídolo do rival Real Madrid. Mesmo veterano, com 34 anos, Luis Aragonés foi o artilheiro do time naquela temporada com 14 gols.

 

Reconquista de La Liga e a saga continental

Na temporada 1972-1973, o Atlético seguiu com o técnico Max Merkel e tratou o Campeonato Espanhol como objetivo principal. Após um início ruim por conta do calendário agitado da Copa del Generalísimo e da Recopa da UEFA (em ambas os colchoneros foram eliminados precocemente), a equipe rojiblanca cresceu na reta final e sagrou-se campeã com dois pontos à frente do Barcelona (48 a 46), com 20 vitórias, oito empates, seis derrotas, 49 gols marcados (melhor ataque) e 29 gols sofridos. Aragonés, de novo, foi o artilheiro do time na temporada com 18 gols, sendo 16 deles em La Liga, na qual ele foi o vice-artilheiro, ficando a três do Pichichi Marianín, do Real Oviedo.

Gárate e Irureta, dupla infalível do Atlético de Madrid nos anos 1970.

 

O título deu ao Atlético uma vaga na Liga dos Campeões de 1973-1974, mas o clube passaria por outra mudança de comando: Max Merkel, em atritos com a diretoria e “farto da Espanha”, como ele mesmo disse na época, deu lugar ao argentino Juan Carlos Lorenzo, com passagens vitoriosas por San Lorenzo e Roma, além de ter comandado a seleção argentina nas Copas do Mundo de 1962 e 1966. Toto Lorenzo levou à Madri dois atletas que trabalharam com ele na Argentina: Rubén Ayala, centroavante goleador, e Ramón Heredia, zagueiro que costumava avançar muito ao ataque e tinha mais faro goleador do que muitos atacantes de sua época. Com vários latinos no elenco e a conhecida base vencedora da temporada anterior, o Atlético ganhou mais força e sabia que não havia momento melhor para tentar um título europeu do que aquele.

Tudo começou contra o Galatasaray-TUR, que segurou um empate sem gols em Madri, mas foi derrotado por 1 a 0 em Istambul, em gol de Salcedo já na prorrogação. Nas oitavas de final, o Atlético encarou o Dínamo Bucareste-ROM e venceu a partida de ida, na Romênia, por 2 a 0 (gols de Heraldo Bezerra e Eusébio). Na volta, em Madri, os romenos abriram o placar logo aos 2’, mas Ayala empatou. Georgescu deixou o Dínamo à frente mais uma vez, mas Capón empatou no segundo tempo e o agregado de 4 a 2 classificou os rojiblancos. O adversário seguinte foi o sempre complicado Estrela Vermelha-IUG e sua enlouquecida torcida no Marakana. Só que o Atlético não se intimidou e, com um gol de Aragonés logo aos 9’, fez 1 a 0. No segundo tempo, Gárate ampliou e deixou a vaga encaminhada, que se consumou após o empate sem gols na partida de volta, em Madri.

 

No último desafio antes da final, os madrilenos tiveram pela frente o experiente Celtic-ESC, campeão europeu em 1967, vice em 1970 e com um time muito forte que contava com um jovem Kenny Dalglish, de 23 anos. Na ida, diante de quase 73 mil pessoas no Celtic Park, o Atlético, sem Aragonés, foi com uma postura bem defensiva, pois sabia que um empate era bom negócio para o duelo da volta. E, quando a bola rolou, o que se viu foi um jogo muito violento, com faltas ríspidas e três expulsões – todas do Atlético, que levou também 11 cartões amarelos. O técnico Toto Lorenzo armou um time típico do futebol argentino da época e, com aquela tática, venceria facilmente a Libertadores…

A partida terminou 0 a 0 e a imprensa escocesa não escondeu a indignação pós-jogo, tratando aquele confronto como a “Batalha de Glasgow”, que teve ainda entrada da polícia no final do jogo para conter os jogadores e até funcionário do aeroporto de Glasgow cuspindo e jogando no chão o passaporte do defensor Ovejero (!). Como consequência, o time madrileno foi multado pela UEFA em dois milhões de pesetas (algo em torno de 12 mil euros atualmente) e foi notificado que se aquele comportamento se repetisse no duelo da volta, o clube seria banido de competições da entidade por tempo indeterminado. De fato, foi uma partida atípica e que não era comum do time rojiblanco, que sabia (muito) jogar bola e não precisava ter apelado para a violência.

 

Jogando em casa 14 dias depois, o Atlético brindou seus 64 mil torcedores no Vicente Calderón com uma grande vitória por 2 a 0, em gols que saíram já no final do jogo com Gárate e Adelardo. Foi um grande jogo dos rojiblancos, que exemplificaram ao máximo o estilo de jogo proposto por Toto Lorenzo, o 4-3-1-2, com Aragonés vindo de trás e Irureta o enganche, que distribuía o jogo para Gárate e Ufarte. Enfim, depois de muita espera, o Atlético de Madrid estava na final da principal competição de clubes da Europa. Mas o adversário era um timaço ainda pouco conhecido, mas que vinha tinindo: o Bayern München de Sepp Maier, Paul Breitner, Franz Beckenbauer, Gerd Müller e companhia nada (mas nada mesmo!) limitada…

 

Por segundos

A grande final europeia de 1974 foi disputada no Estádio de Heysel, em Bruxelas, na Bélgica, mais de uma década antes da tragédia que marcou o local. Só que, para o torcedor do Atlético, já naquele ano o estádio belga se transformou em sinal de mau agouro. Com a base da seleção alemã que venceria a Copa do Mundo daquele ano, o Bayern ainda era um desconhecido no continente e tinha em sua galeria menos títulos nacionais do que o Nuremberg, por exemplo, nenhuma Liga dos Campeões e somente uma Recopa da UEFA, assim como o Atlético de Madrid. Por isso, o duelo era equilibrado, mas, analisando hoje jogador a jogador, obviamente que os bávaros eram favoritos. Quando a bola rolou, o jogo realmente foi disputado, sem violência, e terminou empatado em 0 a 0.

O time de 1974 era muito forte, com volume ofensivo sem descuido defensivo. O problema foi a falta de concentração na final europeia.

 

Na prorrogação, o Atlético avançou mais ao ataque e, em falta cobrada por Luis Aragonés faltando seis minutos para o fim, os colchoneros abriram o placar. Diante do cansaço visível em ambas as equipes, parecia mesmo que a vitória seria madrilena. Que maneira de ser campeão da Europa! Com gol do ídolo Aragonés, veteraníssimo e símbolo daquela era de ouro dos rojiblancos. Mas… É, sempre tem o “mas” no futebol.

Gol de falta de Aragonés dava o título ao Atlético…

 

Faltando cerca de 30 segundos para o apito final, o zagueiro Schwarzenbeck saiu da área e foi conduzindo a bola despretensiosamente. Ninguém deu atenção, afinal, era um zagueiro, não tinha como ele fazer algo àquela altura. Bem, tinha sim. O camisa 4 chutou de longe, o goleiro Reina, com a visão encoberta, não viu a trajetória da bola e, quando saltou, foi tarde demais. Ela foi parar no canto direito do gol. Era o empate. E, ao apito final, seria necessário um novo jogo dali a dois dias, pois na época não havia disputa de pênaltis.

Porém, no finalzinho, a desolação de Reina explica a decepção rojiblanca.

 

Foi uma tragédia para os espanhóis. Por segundos, eles tiveram as mãos no mais cobiçado troféu da Europa. E em segundos eles viram o sonho ruir em Heysel. Devastados, os colchoneros entraram em campo para o replay cabisbaixos, já derrotados. E foram engolidos pelo Bayern: 4 a 0, dois gols de Uli Hoeness e dois de Gerd Müller, que deram a primeira Velhinha Orelhuda aos bávaros – os alemães seriam tricampeões consecutivos do torneio. Ao Atlético, ficou a amargura e uma de suas maiores derrotas da história – para muitos, a maior e mais traumática. Diante daquele drama e de uma temporada sem troféus (o clube foi vice-campeão de La Liga e semifinalista da Copa del Generalísimo), Aragonés decidiu se aposentar do futebol.

O curioso é que, décadas depois, o clube também iria perder a chance de vencer a UCL em uma reta final de jogo, em 2014, quando vencia por 1 a 0 o rival Real Madrid até os 90’+3’, mas levou um gol de Sergio Ramos que levou a partida para a prorrogação. Nela, os merengues fizeram três gols e ficaram com La Décima. Mas, após a derrota de 1974, ficava a pergunta: será que era o fim daquele esquadrão?

 

O último ato é Mundial!

Perder daquela maneira a UCL fez com que o técnico Toto Lorenzo deixasse o Atlético e voltasse para a Argentina, onde faria história pelo Boca Juniors bicampeão da Libertadores em 1977 e 1978. Sem técnico, o Atlético de Madrid passou a ser comandado pelo agora aposentado Luis Aragonés, que aceitou o desafio de iniciar uma carreira com a prancheta usando como mantra a frase: “Ganar y ganar y ganar y volver a ganar, eso es el fútbol”. E tanto ele como o clube abraçaram a oportunidade que surgiu meses depois: disputar o Mundial Interclubes, após a recusa do Bayern em participar da competição por conta da logística de ter que viajar à América do Sul e pelos compromissos na Bundesliga e na caminhada continental em busca do bicampeonato, além de o clube preferir realizar amistosos para emancipar sua marca e aproveitar o êxito de seus craques após o título mundial da Alemanha na Copa.

O time campeão do mundo. Em pé: Alberto, Melo, Eusebio, Pacheco, Capón e Adelardo. Agachados: Aguilar, Gárate, Ayala, Irureta e Heredia.

 

Com isso, o Atlético de Madrid, vice-campeão europeu, foi para a disputa do título contra o Independiente-ARG, campeão da Copa Libertadores de 1974. Na época, eram dois jogos, com possibilidade de uma partida desempate em caso de igualdade de pontos. Mas, para evitar viagens extras, o Atlético combinou com os argentinos que o saldo de gols seria o fator de desempate. Com praticamente a mesma base da temporada anterior e Aragonés no comando técnico, o Atlético viajou até Avellaneda e enfrentou um time fortíssimo e temido, que já havia vencido o Mundial de 1973 diante da Juventus-ITA, vice-campeã europeia que disputou o torneio no lugar do Ajax, que abdicou da disputa naquele ano.

O goleiro Pacheco (de cachecol verde), Gárate (com a camisa do Independiente) e Eusebio em pé, ao lado do técnico Luis Aragonés, de terno marrom no canto. Abaixo, rodeando a taça, estão Aguilar, Alberto, Irureta, Ayala, Heredia (estes últimos dois de casaco branco) e Capón.

 

Com 60 mil pessoas no estádio rojo, o Independiente venceu os madrilenos por 1 a 0, gol de Balbuena, e foram para Madri com a vantagem do empate. Mas, em seu caldeirão tomado por 65 mil pessoas, o Atlético mostrou força, fibra, garra e a vontade de fazer história. Escalado com Pacheco; Melo, Heredia, Eusebio e Capón; Adelardo, Alberto, Irureta e Aguilar; José Eulogio Garate e ‘Ratón’ Ayala, o Atleti venceu por 2 a 0, gols de Irureta e Rubén Ayala, e ficou com o título mundial, sendo o primeiro na história a conseguir o feito sem ter um título continental no currículo. Esse detalhe, porém, jamais abalou o torcedor, que vibrou como nunca pelo troféu em um alento após uma época tão difícil e traumática como a de 1973-1974.

 

À espera de Simeone

Simeone (à esq.), junto com Enrique Cerezo e Caminero.

 

Em 1974, o Atlético de Madrid tinha apenas um troféu de La Liga a menos do que o Barcelona, por exemplo, só que era mais regular e constante na disputa por troféus do que os catalães, que passaram 14 anos sem levantar a glória nacional. Porém, após o título nacional de 1976-1977, os colchoneros viram o clube catalão crescer, o rival Real Madrid voltar a brilhar e o Atlético só voltaria a brigar de vez com a dupla espanhola na virada do milênio, quando voltou a reunir astros e formar esquadrões que conduziram o time a títulos continentais e nacionais – em especial no período sob comando do técnico Diego Simeone, época que simbolizou uma transição até mesmo de estádio como nos anos 1960, com a mudança dos colchoneros para o Wanda Metropolitano e aposentadoria do Vicente Calderón. Porém, o torcedor sempre guardará na memória os tempos mágicos e os títulos conquistados no estádio que se transformou em orgulho para os rojiblancos e casa de um dos maiores esquadrões do Atlético de Madrid em todos os tempos. Simplesmente imortal.

Os personagens:

Miguel Reina: após passagens pelo Córdoba e pelo Barcelona, o goleiro chegou ao Atlético de Madrid em 1973 e foi titular em praticamente todos os jogos do time em seus primeiros cinco anos vestindo a camisa rojiblanca. Muito seguro e regular, foi um dos principais goleiros da Espanha na época, mas nunca teve o devido reconhecimento pela seleção espanhola, pela qual só disputou cinco jogos. É pai de Pepe Reina, que também virou goleiro e foi campeão do mundo com a Fúria em 2010.

Rodri: jogou de 1965 até 1974 no Atlético de Madrid e foi um dos destaques do time no começo dos anos 1970, quando faturou um troféu Zamora ao levar apenas 17 gols em 28 jogos na temporada 1970-1971. Faturou três títulos espanhóis com o Atlético e uma Copa del Generalísimo.

José Pacheco: cria do Atlético, começou no clube em 1967, mas atuava mais como reserva e só foi ter mais oportunidades no gol colchonero a partir de 1974, incluindo na decisão do Mundial Interclubes contra o Independiente. Deixou o Atlético para jogar no Racing Santander em 1979.

Melo: o lateral-direito foi titular absoluto da equipe colchonera de 1968 até 1976, quando encerrou a carreira por causa de uma grave lesão no joelho. Disputou mais de 240 jogos pelo clube e se destacou pela regularidade e força defensiva na marcação.

Heredia: depois de brilhar no San Lorenzo, foi ao Atlético graças ao técnico Toto Lorenzo e brilhou com a camisa colchonera pela garra e vocação ofensiva notável para um zagueiro. Cobrava faltas, se lançava ao ataque e marcava seus gols – foram 9 em 77 jogos por La Liga. Foi titular da equipe de 1973 até 1977, quando perdeu espaço por causa de lesão. Foi convocado para a seleção argentina em 20 oportunidades e marcou dois gols, um deles na Copa do Mundo de 1974, quando disputou seis jogos.

Isacio Calleja: o defensor é o 6º jogador com mais jogos na história do Atlético de Madrid – 421 partidas – e é uma lenda do futebol espanhol. Podia jogar como zagueiro e também lateral-esquerdo e integrou o time da Espanha que venceu a Eurocopa de 1964. Pelo Atlético, Calleja conquistou sete títulos, entre eles dois Campeonatos Espanhóis e a Recopa de 1961-1962. Se aposentou em 1972, antes de poder ajudar a equipe na Liga dos Campeões da UEFA de 1973-1974.

Eusébio: o zagueiro, que podia atuar também como volante, só vestiu a camisa do Atlético na carreira de 1968 até 1979 e atuou em quase 300 jogos pelos colchoneros. Foi titular em boa parte daquela era de ouro e fez uma grande parceria com Heredia no miolo de zaga.

Ovejero: cria do Vélez, o zagueiro argentino chegou ao Atlético em 1969 e fez grandes jogos com a camisa colchonera, com destaque para a parceria ao lado de Calleja na campanha do título da Copa del Generalísimo de 1972. Jogou no Atlético até 1974, quando foi atuar pelo Real Zaragoza. Após se aposentar, virou técnico e treinou o próprio Atlético em duas oportunidades no começo da década de 1990, faturando inclusive a Copa do Rei de 1991.

Capón: o defensor começou no Atlético de Madrid atuando como lateral-direito, mas foi na ala esquerda que ele fez história como um dos mais regulares da equipe entre 1972 e 1980. Disputou 269 jogos e marcou oito gols pelo clube, além de ter sido capitão do Atlético de Madrid entre 1979 e 1980.

Rubén “Panadero” Díaz: já consagrado pelos títulos do Mundial e da Libertadores conquistado no Racing em 1967, Rubén Díaz chegou ao Atlético em 1974 e vinha jogando bem na equipe tanto na lateral-esquerda quanto um pouco mais avançado, ajudando nos passes e lançamentos, até ser expulso na Batalha de Glasgow contra o Celtic e desfalcar o time na decisão continental. Esteve no grupo campeão mundial daquele ano e retornou à Argentina em 1977, após faturar uma copa nacional e um campeonato espanhol. Díaz tinha o apelido de Panadero por causa de seu pai, que exercia o ofício de padeiro em sua terra natal.

Adelardo: outra lenda colchonera, Adelardo foi durante muitas décadas o jogador que mais vestiu a camisa rojiblanca na história com 553 jogos até ser ultrapassado por Koke, em 2022, que já superou a marca de 570 jogos. Adelardo jogou de 1959 até 1976 no Atlético e acumulou 10 troféus com o clube, entre eles o Mundial, a Recopa de 1962 e três campeonatos espanhóis. Meio-campista completo, ajudava na marcação, no desarme, nos passes e nos gols – foram 113 pelo Atlético. Vestiu também a camisa da Espanha nas Copas de 1962 e 1966.

Domingo Benegas: o pequenino meio-campista paraguaio (tinha 1,60m) jogou no Atlético em duas oportunidades, entre 1969-1970 e entre 1972 e 1978, quando integrou os times campeões espanhóis de 1972 e 1976 e da copa nacional de 1975. Foi campeão, também, do Mundial de 1974, atuando como titular no primeiro duelo, na Argentina. Foram 151 jogos pelo Atleti na carreira.

Luis Aragonés: antes de se tornar um dos mais respeitados técnicos de seu tempo e campeão da Eurocopa de 2008 pela Espanha, Aragonés foi um craque e símbolo do Atlético de Madrid durante 10 anos. Entre 1964 e 1974, o espanhol foi o principal nome ofensivo do time rojiblanco e podia atuar como meia e atacante, além de ser perigoso nas bolas paradas. Aragonés venceu cinco títulos pelo Atlético e era o herói da conquista continental de 1974 até o último minuto da prorrogação, quando o fatídico gol de Schwarzenbeck arruinou o sonho do clube espanhol e fez com que Aragonés encerrasse sua carreira de futebolista. Porém, o ídolo não aguentou ficar parado e virou técnico do Atlético já em 1974, quando venceu o título Mundial e ainda o Campeonato Espanhol de 1976-1977 e a Copa nacional de 1975-1976. Em outras passagens, Aragonés ainda venceu quatro títulos pelo Atlético, incluindo a Série B que recolocou o clube na primeira divisão espanhola em 2002. Aragonés disputou 368 jogos e marcou 172 gols pelo Atlético de Madrid. Ele é até hoje o maior artilheiro da história do clube.

Alberto Fernández: meio-campista muito identificado com o Atlético, Fernández disputou 361 jogos pelo clube entre 1969 e 1979 e foi um importante elo entre a defesa e o ataque, ajudando na posse de bola e nas triangulações. Faturou seis títulos pelos colchoneros.

Salcedo: atuava mais pelo lado esquerdo do meio de campo e podia ajudar tanto na marcação quanto na criação de jogadas ofensivas. Jogou boa parte da carreira no Atlético de Madrid e acumulou 36 gols em 223 jogos entre 1969 e 1977.

Javier Irureta: cria do Real Unión, o meia-atacante estourou no futebol com a camisa do Atlético e fez uma notável parceria com Gárate e Aragonés no setor ofensivo do clube naquela virada de anos 1960 e início dos anos 1970. Oportunista e criativo, anotou 68 gols em 277 jogos pelo clube e foi um dos mais talentosos jogadores de seu tempo. Após pendurar as chuteiras, virou técnico e brilhou no comando do grande Deportivo La Coruña multicampeão do começo dos anos 2000.

Francisco Aguilar: cria do Elche, o meia / atacante jogou no Atlético entre 1975 e 1980, e foi titular em algumas oportunidades, em especial na decisão do Mundial Interclubes contra o Independiente. Marcou 16 gols em 77 jogos pelos colchoneros.

Gárate: artilheiro nato e 5º maior goleador da história do Atlético de Madrid com 136 gols em 325 jogos, o argentino de nascimento se consagrou no futebol espanhol desde pequeno, pois se mudou para Eibar quando tinha cinco anos. Quando foi jogar no Atlético, em 1966, virou um atacante rápido e goleador, crescendo de produção ano após ano até ser o Pichichi de La Liga em três temporadas seguidas – 1969, 1970 e 1971. Venceu seis títulos com os colchoneros e defendeu a Espanha em 18 oportunidades, anotando cinco gols. 

Ufarte: o espanhol viveu o caminho inverso ao de muitos futebolistas ao viajar para o Brasil na infância e começar sua carreira no Flamengo, em 1961, além de passar pelo Corinthians e retornar ao rubro-negro antes de voltar à sua terra natal e defender o Atlético de Madrid a partir de 1964. Ponta de muita habilidade, Ufarte jogou por 10 anos nos colchoneros e se destacou por abrir espaços nas zagas rivais ao invés de ter faro goleador. Em 323 jogos, marcou 34 gols. Defendeu a Espanha na Copa do Mundo de 1966.

Heraldo Bezerra: nascido em São Jerônimo (RS), o brasileiro tinha nacionalidade espanhola e acabou escolhendo o país europeu quando virou jogador profissional. Após iniciar a carreira no Cruzeiro, jogou um período no Newell’s Old Boys e brilhou ao lado de Mono Obberti no ataque dos leprosos. Foi contratado pelo Atlético de Madrid em 1971 e ficou até 1977, onde formou o trio de ataque ao lado de Gárate e Ayala que ficou conhecido como “Los Tres Puñales”. Marcou 16 gols em 99 jogos pelos colchoneros. Em 1977, Bezerra foi contratado pelo Boca Juniors, mas acabou falecendo em um acidente de carro aos 31 anos.

Rubén Ayala: depois de gastar a bola no San Lorenzo bicampeão argentino de 1972, El Ratón Ayala assumiu o comando do ataque do Atlético de Madrid entre 1973 e 1979 e mostrou ser um dos principais atacantes da época. Raçudo, oportunista e com estrela, Ayala marcou 58 gols em 214 jogos, incluindo o gol do título mundial de 1974 diante do Independiente. Vestiu a camisa da Argentina em 25 jogos – seis deles na Copa do Mundo de 1974 – e marcou 11 gols. Ele foi a inspiração para que o zagueiro Roberto Ayala, que brilhou décadas depois, também ganhasse o apelido de Ratón.

Marcel Domingo, Max Merkel, Juan Carlos Lorenzo e Luis Aragonés (Técnicos): embora Toto Lorenzo tenha sido o único da lista sem troféus, todos os treinadores desse período merecem destaque por terem conduzido o Atlético de Madrid a grandes façanhas e feitos memoráveis. Marcel Domingo venceu La Liga de 1969-1970 e pavimentou o caminho para Max Merkel vencer outra Liga e uma Copa nacional entre 1971 e 1973. Após os atritos do austríaco com a diretoria, Toto Lorenzo levou o Atlético a uma final de Liga dos Campeões pela primeira vez, mas em um daqueles episódios inexplicáveis do futebol, o treinador viu seu time perder o título por segundos. Para fechar aquela era de ouro, Aragonés manteve o faro competitivo da equipe e faturou o título mundial de 1974 e, anos depois, mais troféus que fizeram dele um símbolo rojiblanco.

 

 

Licença Creative Commons
O trabalho Imortais do Futebol – textos do blog de Imortais do Futebol foi licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição – NãoComercial – SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Com base no trabalho disponível em imortaisdofutebol.com.
Podem estar disponíveis autorizações adicionais ao âmbito desta licença.

Craque Imortal – Dino Zoff

Esquadrão Imortal – Vasco 1997-1998