in

Seleção iraniana sob ameaças de seu próprio governo

Foto: REUTERS/Marko Djurica.
Foto: REUTERS/Marko Djurica.

 

A Copa no Catar foi alvo de controvérsias antes mesmo de começar. Fora do futebol, os direitos humanos, as condições a que foram submetidos os trabalhadores que construíram os estádios e as pesadas restrições que o país impôs à simbologia LGBTQ+ têm sido os temas centrais desta edição do Mundial. No entanto, o país anfitrião não é o único imerso na tempestade de críticas. O Irã também esteve sob os olhos do público antes mesmo de sua seleção jogar sua primeira partida devido à crise de direitos humanos que o país atravessa. Agora, eles são mais uma vez alvo de uma série de problemas que vão no caminho oposto do espírito que a Copa do Mundo deveria ter.

 

O início do problema

Quando a seleção iraniana chegou à Copa do Mundo da FIFA de 2022, a sombra da turbulência doméstica já os dominava há algum tempo, desde que uma mulher de 22 anos chamada Mahsa Amini foi detida, torturada e assassinada pelo regime – por supostamente violar o código de vestimenta do país – que detonou uma série de protestos por todo o país, mas principalmente na capital. De acordo com Volker Turk, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, a maneira como as autoridades estão reprimindo os dissidentes anti-regime deu origem a uma crise de direitos humanos de pleno direito no país.

Ainda por cima, a seleção iraniana de futebol terminou no Grupo B, que também incluía os arqui-inimigos políticos Estados Unidos e as não tão amistosas Inglaterra e País de Gales, fato que não fez mais do que aumentar as expectativas que o regime depositava na seleção e, portanto, a pressão que os jogadores tinham. Relatórios até mencionaram que o governo de Teerã ofereceu a seus jogadores de futebol grandes incentivos monetários e bens como carros de luxo e mansões se eles conseguissem avançar com sucesso para a fase eliminatória.

 

Um ato rebelde

A primeira partida foi no dia 21 de novembro contra um adversário bastante difícil. As principais casas de apostas asiáticas apontavam a Inglaterra como uma clara favorita e ofereciam ótimos preços. No entanto, centenas de seguranças iranianos e atores contratados foram supostamente enviados ao estádio disfarçados de torcedores para dar a impressão de que o time era o favorito, quando na verdade o número real de torcedores iranianos estava entre os mais baixos devido à situação em casa e ao temor de que o governo do Catar, conhecido apoiador do regime, pudesse colaborar com eles na execução de detenções de supostos dissidentes.

No entanto, o fato mais surpreendente ocorreu antes da partida, quando todos os jogadores iranianos se recusaram a cantar seu hino nacional em protesto contra a violenta repressão do regime contra seu povo. Além disso, o resultado do jogo só acrescentou insulto à lesão para o governo iraniano, já que uma derrota por 6 a 2 foi uma humilhação difícil de explicar e muito longe dos resultados que eles esperavam.

 

Resposta imediata

De acordo com agentes de segurança ocidentais posicionados no Catar para a Copa do Mundo, o governo de Teerã não considerou levianamente a recusa dos jogadores em cantar o hino nacional. De fato, toda a equipe foi imediatamente convocada para uma reunião com membros do IRGC (Corpo da Guarda Revolucionária do Irã) que manifestaram o quão furiosos seus superiores estavam após seu ato rebelde e a derrota humilhante. Além disso, de acordo com uma fonte de segurança, eles enfatizaram que tal ação não seria tolerada e que suas famílias “enfrentariam violência e tortura” se se recusassem a cantar o hino novamente ou encontrassem uma forma diferente de protesto.

Além disso, várias fontes de agências que operam no Catar durante a Copa do Mundo confirmam que um grande número de agentes de segurança do governo iraniano estava coletando informações e monitorando de perto os membros do esquadrão e funcionários para evitar que falassem com estrangeiros, especialmente os ocidentais. Da mesma forma, o treinador principal de Shirdelan, o português Carlos Queiroz, também foi chamado separadamente pelo IRGC, mas não está claro se era puramente relacionado ao futebol ou para pressioná-lo para ajudá-los a controlar os jogadores.

A segunda partida do Irã foi no dia 25 de novembro, contra o País de Gales, que veio de um empate em 1 a 1 contra a equipe dos EUA. Desta vez, a situação foi completamente oposta. Em primeiro lugar, os jogadores cantaram seu hino nacional e “se comportaram” exatamente como seu governo exigia. Não houve qualquer outra forma de protesto e até pareceram contar com o apoio dos adeptos, que alegadamente eram na sua maioria contratados.

Além disso, seu bom desempenho e a falta de definição do País de Gales ajudaram o Irã a sair vitorioso por 2 a 0. No entanto, ainda que o regime de Teerã tenha ficado satisfeito com os resultados, em vez de abrandar as medidas de pressão impostas ao seu plantel, intensificou-as. O motivo era que a última partida representava a possibilidade de avançar para a próxima fase e o rival não era outro senão o inimigo político de longa data, os EUA. Ganhar o jogo teria sido duas vezes melhor e, aparentemente, eles estavam dispostos a continuar ameaçando seus jogadores para alcançar tais resultados.

 

Uma partida com muitas implicações políticas

Do outro lado do espectro, a equipe dos EUA não estava indo tão bem. Vinha de dois empates consecutivos onde ambos marcaram e sofreram apenas um gol. Portanto, outro empate era uma boa possibilidade, mas não seria suficiente para garantir a passagem para a fase de mata-mata. Além disso, assim como o Irã, os EUA queriam a vitória por motivos além do futebol, já que qualquer vitória sobre a nação rival representa uma oportunidade de mostrar sua superioridade.

O governo iraniano teria aumentado o número de torcedores pagos para milhares, especialmente para esta partida, e reiterou as ameaças sobre o bem-estar das famílias de seus jogadores. Além disso, eles até apresentaram uma queixa contra os EUA, exigindo que a FIFA os desclassificasse imediatamente do torneio. O motivo foi que a Federação de Futebol dos Estados Unidos postou uma imagem da bandeira iraniana sem o emblema da República Islâmica em suas redes sociais, fato que mostrou seu apoio aos manifestantes no país do oeste asiático.

O US Soccer mudou de posição logo em seguida e a partida nunca foi cancelada. Além disso, os melhores sites de apostas da Índia não mostraram um favorito claro desta vez, e as odds e os mercados pareciam incrivelmente semelhantes, o que mostrava que o jogo seria um dos mais emocionantes até agora na Copa do Mundo. Essa previsão se tornou realidade, pois o jogo manteve o público na borda de seus assentos durante toda a duração. Infelizmente para o Irã, perderam por 1 a 0. Ainda não está claro se o governo fará retaliação contra seus próprios jogadores ou suas famílias, mas o mundo inteiro reza para que não seja esse o caso. Afinal, o verdadeiro espírito da Copa do Mundo é celebrar a união das nações por meio do esporte e não promover agendas políticas.

Jogos Eternos – Inglaterra 1×2 Brasil 2002

Jogos Eternos – Brasil 6×1 Espanha 1950